• Pedro Vitor Lopes

Prefeitura começa 2019 com corte em cargos comissionados

Para enxugar a folha de pagamentos, Prefeito Marcos José decide diminuir número de cargos comissionados. Grupo político anda insatisfeito com a decisão.

Foto: Dilvulgação/Prefeitura de Abreu e Lima

Foto: Carlos da Hora/PMAL


Com capacidade de investimento comprometida, o município de Abreu e Lima vem passando aperto financeiro desde o inicio da crise econômica brasileira, agravada em 2016. As constantes quedas de receita têm dado muitas dores de cabeça à administração do atual Prefeito, refletindo negativamente na popularidade do Governo.


Decidido a melhorar o desempenho da sua gestão, o prefeito Marcos José começou 2019 pondo em prática um pacote de medidas de austeridade, que se inicia pela drástica redução no número de cargos comissionados na Prefeitura.


De acordo com a gestão, a decisão visa equilibrar as contas públicas, desafogando a folha de pagamentos, fator que mais pesa nas finanças da PMAL atualmente. Com a economia gerada pelo corte de pessoal, a administração prevê não mais atrasar o pagamento do funcionalismo e investir em obras de pequeno porte, como recapeamento asfáltico e requalificação de prédios públicos, a exemplo da recente reforma na ala pediátrica da maternidade.


Porém, apesar de ter vindo em boa hora, a medida está revoltando aliados e provocando racha no grupo político do Pastor. Para um dos insatisfeitos " o Prefeito está pecando na estratégia, afastando pessoas que ajudaram na sua reeleição, quando o momento seria para aglutinar gente no intuito de fazer seu sucessor em 2020". Outro, confidenciou ao blog que "a demissão em massa pode ser a ultima pá de cal sobre o governo Marcos José e que não há caminho mais fácil para fortalecer a oposição da cidade e favorecer a volta dos Gadelhas ao Poder".


Numa política dominada pelo fisiologismo, cortar na própria carne é uma atitude corajosa e necessária, que vai ao encontro do momento de ajustes pelo qual o país está passando. Fontes do governo asseguram que o Prefeito Marcos José está disposto a pagar o preço político do ajuste, que deve ganhar novos capítulos nos próximos dias, com a fusão de algumas secretarias.